Cafeicultor de Espera Feliz visita Colômbia e aprende técnicas para aprimorar produção
Banner
Cafeicultor de Espera Feliz visita Colômbia e aprende técnicas para aprimorar produção

  Foi com a expectativa de aprender mais sobre o mundo do café que Antônio Cezar Júnior, morador da zona rural de Espera Feliz (MG), embarcou para a Colômbia. Esta foi a primeira viagem internacional da vida dele, representando a mãe, Dona Sebastiana de Oliveira Faria. A premiação faz parte do patrocínio da Atlantica Coffee aos vencedores do Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais de 2017, promovido pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado Minas Gerais – Emater/MG. Dona Sebastiana foi ganhadora da região Matas de Minas, produzindo um café de 90,061 pontos.

  Há uma semana do retorno ao Brasil, Antônio já realiza algumas mudanças e melhorias no Sítio Moinho Grande, juntamente com Dona Sebastiana e a família. “Já estamos dobrando a quantidade de estufas ventiladas aqui no sítio, com sombrite debaixo da estufa para o calor não passar de 40 graus. Estamos ampliando também a quantidade de terreiros suspensos”, conta Antônio, animado.

   “Também vamos instalar tela de pinteiro em volta de todo o terreiro para não deixar que nenhum animal entre na plantação de café, protegendo a qualidade dos grãos que produzimos. Também vamos mudar a localização da pocilga e das outras criações do sítio para longe dos terreiros para nada influenciar o solo das nossas plantações. Quero ainda adaptar a fermentação a frio, muito utilizada na Colômbia, que é um processo em que eles armazenam o café descascado desmucilado por 18 horas em um freezer, com temperatura entre 10 e 13 graus. Aqui no sítio vamos adaptar a técnica com a nossa realidade utilizando ar-condicionado em um quarto fechado”, conta Antônio.

  A fermentação a frio também chamou a atenção de Joaquim Noronha, ganhador da região Sul de Minas na categoria Natural, com pontuação de 88,600, morador da cidade de Dom Visoço (MG). “Fiquei muito interessado pela fermentação a frio e pela fermentação em tanque e quero aplicar esses dois métodos aqui na fazenda. Foi minha primeira viagem internacional e não tive nenhum problema com o idioma. Achei o povo muito acolhedor. Consegui entender tudo porque tivemos tradutores para nos ajudar, além do apoio do Thiago Franco, da Atlantica Coffee, muito atencioso e cuidadoso conosco”, afirma Joaquim.

“A Atlantica Coffee está de parabéns pelo patrocínio da viagem. Tomara que a empresa mantenha a parceria com a Emater-MG por muitos anos para levar essa oportunidade para outros produtores de café mineiros. Eu não teria participado desse concurso se o Leandro Siqueira, engenheiro agrônomo e representante da Emater-MG no Sul de Minas não tivesse me incentivado. Faço meu agradecimento especial a ele”, ressalta Joaquim Noronha, ganhador de outros concursos de qualidade de café em 2017, como o 2º lugar na premiação da Cocarive – Cooperativa Regional dos Cafeicultores do Vale do Rio Verde, 5º lugar do Café Mantiqueira de Minas e 13º lugar no da BSCA – Associação Brasileira de Cafés Especiais.

  Com o patrocínio da segunda edição da “Viagem à Colômbia”, em parceria com a Emater-MG, a Atlantia Coffee tem o objetivo de promover a troca de experiências e apresentar novas realidades para os produtores de café brasileiros. “Nosso objetivo é fazer com que o produtor tenha a oportunidade de conhecer novas realidades e tecnologias para levar esse valor para dentro de casa e compartilhar com a família, vizinhos e com a comunidade em que vive”, afirma o coordenador de Sustentabilidade, Thiago Franco, responsável por processos de certificações de cafés, e que está acompanhando os ganhadores agraciados.

  Após uma semana de visita à região de Pitalito, os representantes dos melhores cafés de Minas Gerais das quatro regiões produtoras do estado (Cerrado, Matas de Minas, Chapada e Sul de Minas) retornaram no Dia Nacional do Café, comemorado em 24 de maio. “A produção de café na Colômbia é reconhecida pela qualidade. Até a forma de colheita, eles prezam pela uniformidade de maturação dos grãos, atuando de maneira quase artesanal. Com isso, oferece um café com mais sabor, doçura e acidez uniformes”, explica Thiago.

   Premiação também em dinheiro

Além da viagem técnica guiada à Colômbia, com todas as despesas pagas, ampliada ao técnico da Emater das Matas de Minas, que recebeu o maior número de amostras, a Atlantica Coffee também concedeu certificado a todos os finalistas do concurso, além de ter adquirido o lote dos cafés classificados em primeiro lugar, nas duas categorias, pelo valor de mil dólares a saca (60kg). Cada lote com cinco sacas. Além do prêmio pago em dinheiro para os três primeiros colocados em cada categoria das quatro regiões produtoras de café de Minas Gerais visitaram o país vizinho.

  A Atlantica Coffee é uma empresa 100% brasileira, comprometida em levar o café e os produtores do Brasil ao patamar mais alto no mercado mundial. A empresa acredita que o Brasil reúne condições de ser um importante produtor de cafés superiores e especiais. O Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais é promovido pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Emater-MG e Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais, em parceria com a Universidade Federal de Lavras (Ufla), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas e a Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (Faepe).

 

   Participaram da “Viagem à Colômbia”:

1. Antonio Cezar Junior, filho de Dona Sebastiana de Oliveira Faria, de Espera Feliz, (Vencedora Matas de Minas).

2. Marcelo Flanzer, da Ecoagrícola (Vencedor Chapadas de Minas)

3. Joaquim Noronha, representando Flávio Roberto Carvalho, de Dom Viçoso (Vencedor Sul de Minas).

4. Edson Tamekuni (Vencedor Cerrado)

5. Regivaldo Dias (técnico da Emater das Matas de Minas)

6. Thiago Franco (representante da Atlantica Coffee)

7. Rachel Northrop (representante da Ally Coffee, outra trading do grupo Montesanto Tavares)

   Sobre o Concurso

   O Concurso de Qualidade dos Cafés de Minas Gerais 2017 anunciou os ganhadores das principais regiões produtoras do estado em premiação realizada dia 4 de dezembro, na Cidade Administrativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte. Dos 33 finalistas, foram selecionados os 22 melhores cafés nas categorias Café Natural e Café Cereja Descascado, Despolpado ou Desmucilado das regiões Cerrado Mineiro, Chapadas de Minas, Matas de Minas e Sul de Minas. Não houve 2º e 3º lugares na categoria Cereja da região Chapadas De Minas. O Concurso contou com premiação para duas novas categorias: Mulher Empreendedora e Prêmio Sustentabilidade. O Concurso é o maior do país e, no ano passado, recebeu um número recorde de 2.600 inscrições. Os jurados provaram mais de 24,5 mil xícaras da bebida.

  Pelo segundo ano consecutivo, a Atlantica Coffee apoiou e patrocinou a premiação. O CEO da Atlântica e sócio fundador do Grupo Montesanto Tavares, Rogério Schiavo, esteve no evento e falou sobre a iniciativa que reconhece e premia a parte mais importante da cadeia cafeeira: os produtores. “A Atlantica atua para contribuir para a sustentabilidade do segmento cafeeiro no Brasil. Somos uma empresa que busca, diariamente, ser parceira do produtor de café, que trabalha e acredita nessa cultura tão importante para o nosso estado. Por isso, buscamos oportunidades para compartilhar boas práticas e contribuir de forma eficiente para a produtividade das lavouras”, afirmou o executivo que ganhou o Prêmio Parceiros do Café, oferecido pelo Emater.

Assessoria de Imprensa

 

 

 
 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

Reflexão do Dia